2

Resenha: Tempo de Mudanças - Lisa Jewell - Editora Novo Conceito


Sinopse:
Em um hospital em Bury St Edmunds, Daniel Blanchard está morrendo. A amiga Maggie May é sua companheira nesta jornada até o fim: senta-se ao seu lado todos os dias, segurando-lhe a mão e ouvindo histórias de sua vida, seus arrependimentos e seus segredos: os filhos que nunca conheceu e que, provavelmente, nunca conhecerá. Lydia, Dean e Robyn não conhecem o pai e também não se conhecem. Ainda... Todos eles estão passando por uma fase de mudanças e de dificuldades: Lydia carrega as cicatrizes de uma infância traumática e, embora seja rica e bem-sucedida, sua vida é solitária e confusa. Dean é um jovem sobrecarregado por uma responsabilidade imprevista, cuja vida está indo para lugar nenhum. E Robyn começou a faculdade de medicina, mas sente que alguma coisa não está certa. Três jovens com histórias muito diferentes, mas que se sentem igualmente perdidos e à procura de alguma coisa, como se faltasse um elo para dar sentido às suas vidas. E então, quando eles percebem que seus caminhos estão se cruzando, tudo começa a mudar...

Minha Opinião: Eu confesso que quando peguei esse livro, imaginava que era um drama adulto que não iria chamar a minha atenção, mas fui surpreendida pela maneira cativante da Lisa Jewell escrever. Uma das coisas que eu mais gostei no livro foi a capa. Eu deduzi agora enquanto escrevo, que se trata de uma pintura de uma das personagens do livro, mas as vezes também tenho a impressão que se trata de outra pessoa, uma desconhecida que apenas observa de longe. A narrativa é gostosa e você se coloca no lugar de cada personagem e várias vezes me perguntei o que faria no lugar de cada um deles, cada dilema, cada resposta... Só tenho que dizer que essa leitura é maravilhosa, faz com que você dê valor a família e principalmente a seus irmãos.

"Lydia olhava para ele com desespero. Sentia o coração se partir por ele de um jeito que não conhecia. O coração de Lydia, em geral, era um órgão sedado. Ficava quietinho dentro dela, deixando que seu sangue fluísse tranquilamente pelo corpo. Ás vezes dava um pulo diante de um animal atraente ou de um homem bonito. As vezes ficava embotado de dor com a solidão ou saudade (...)"

O livro conta a história de Lydia, Dean e Robyn, três jovens que foram frutos de inseminação artificial, o doador se chama Daniel e está em seu leito de morte por conta de uma grave doença. Lydia foi a primeira, sua mãe queria muito um bebê e não podia ter por seu "pai" ser estéril. Dean é o filho do meio e foi fruto de uma produção independente. Robyn é a caçula, foi concebida por inseminação, pois seu pai possui uma doença que danificava os espermatozoides e faz com que eles sejam fecundados já doentes.

Lydia, era uma jovem rebelde e um tanto solitária quando mais nova, perdeu a mãe com apenas três anos e o pai pouco depois de atingir a maior idade, mas sempre teve a impressão que ele nunca veio a gostar dela. Quando pequena sonhava em ser cientista e viu seu sonho se realizar quando foi para a faculdade e inventou algo que fez com que se tornasse milionária. Porém, era triste e muito sozinha, apesar de nadar no dinheiro.

Dean é o típico garoto encrenca, sua vida se resume a maconha e a vadiagem. É calado e vê sua vida virar de ponta cabeça após um acontecimento trágico mudá-la para sempre.

Robyn é a garota perfeita, linda, inteligente e popular que está acostumada a ser adorada e admirada por todos. Ela tem a vida perfeita, os pais perfeitos, mas algo parece estar errado apesar de tamanha perfeição. Eles são três pessoas que jamais imaginariam ter um elo de sangue, três peças perdidas que precisavam se encontrar para que tudo em sua vida se completasse.

"E uma vez tinha se acelerado em nervosa antecipação em uma entrevista ao vivo em uma rádio, quando era estudante. A maior parte do tempo, porém, o coração dela não fazia nada, não sentia nada, ali na caixa sobre as costelas, batendo tum-tum-tuns por segundos, por momentos e dias. Então, está sensação, ela poderia chamá-la de compaixão, era uma novidade."


Eu recomendo a leitura, realmente o livro é muito bom e me fez refletir várias vezes sobre o quanto eu sou abençoada por ter uma irmã e uma família. A medida que os fatos vão se revelando e a história vai se enquadrando e encaixando é possível ver o amadurecimento e a grande jornada de conhecimento dos personagens. Cada dia aprendendo mais uns com os outros, se conhecendo mais. Lisa fez um ótimo trabalho e seu livro merece minhas quatro estrelas. A narrativa é gostosa e fácil de se ler, você acaba se dando conta que leu mais do que pretendia e acaba adotando os personagens e se identificando com eles. Espero que gostem do livro assim como eu!




Jackie Cerone
7

Boca a Boca: Primeiro Livro


Oi galera, vocês lembram qual foi o primeiro "grande" livro que vocês leram? 

Eu estava organizando a minha estante e esbarrei com um dos melhores livro que eu já tive a oportunidade de ler na minha vida, o meu exemplar do livro Pollyanna. Ele foi um  livro que me marcou muito e com toda certeza eu vou passar para os meus filhos e fazer dele um legado de família. Quando completei 9 anos, minha tia me deu o livro de presente, ele pertenceu a uma tia dela e assim que ela viu que eu demonstrava interesse em novas leituras, ela resolveu passa-lo adiante para mim. Meu exemplar já está todo surrado devido o longo tempo guardado anteriormente. A capa já cedeu e as páginas estão bem amareladas, mas ele ainda continua sendo o meu bibelô. O fato dele ser tão antigo e ter tantas memórias, só faz com que eu seja ainda mais apaixonada por ele. Pollyanna foi o primeiro livro que eu li, fora aqueles de princesas que a gente costuma ler quando pequenos e ele foi o pontapé inicial pelo meu amor aos livros. Confiram a sinopse. 


Sinopse - Pollyanna - Eleanor H. Porter: A pequena Beldingsville, uma típica cidadezinha do início do século XX na Nova Inglaterra, Estados Unidos, nunca mais seria a mesma depois da chegada de Pollyanna, uma órfã de 11 anos que vai morar com a tia, a irascível e angustiada Polly Harrington. Por influência da menina, de uma hora para outras tudo começa a mudar no lugar. Tia Polly aos poucos torna-se uma pessoa melhor, mais amável, e o mesmo acontece com praticamente todos os que conhecem a garota e seu incrível "Jogo do Contente". Uma otimista incurável, Pollyana não aceita desculpas para a infelicidade e emprenha-se de corpo e alma em ensinar às pessoas o caminho de superar a tristeza. 

Vamos jogar o jogo do contente?
  
O livro gira em torno de Pollyana, uma menininha incrível. Meiga, doce e muito carinhosa, Pollyanna tem o dom de fazer feliz todos aqueles que estão a sua volta. Após perder os pais, a garotinha passa a morar em outra cidade com a sua tia Polly, que torna-se responsável pela sua tutela e crianção. Porém, sua tia é uma mulher amargurada que nunca aceitou o casamento dos pais de Pollyanna, afinal para ela, o rapaz não era nada adequado para a irmã. Por tal aversão ao casamento da irmã ela não demonstra afeição nenhuma a menina, mas isso para Pollyanna, não importa, já que ela pode amar o suficiente pelas duas. Algo que chamava a atenção de todos, era que Pollyanna era incrivelmente otimista, apesar de sua tia lhe dar um quartinho no sótão e de jamais brincar com ela, ela tinha seu jogo para tornar tudo melhor, o jogo do contente.  

 "Muitas vezes me acontece de brincar o jogo do contente sem pensar, a gente fica tão acostumada que brinca sem saber. Em tudo há sempre alguma coisa capaz de deixar a gente alegre; a questão é descobri-la."


Quando pequena, sua família era muito pobre e vivia com as doações dos fieis, já que seu pai era apenas um jovem missionário. Ela desejava muito uma boneca e colocou toda sua expectativa em uma esperada doação que iria chegar. Quando a doação chegou, não havia bonecas, mas sim um par de muletinhas. Como toda criança a garotinha começou a chorar por não ter ganho aquilo que tanto desejava, seu pai então vendo tanta tristeza, lhe ensinou um jogo  que tornaria tudo melhor. Quando perguntou ao pai o que deveria fazer a resposta foi simples: ela deveria ficar feliz! Afinal não precisaria usar as meletinhas, ela era perfeita e saudável. Pollyanna passou então a tirar de cada coisa ruim que lhe acontecia, uma coisa otimista, para ela tudo aquilo seria melhor se ela jogasse o jogo. Pollyanna passou então a cativar as pessoas da cidade com seu jeito meigo e também passou a ensinar a todos a sua volta o seu maravilhoso "segredo" para ser feliz, o jogo do contente. 


Eu super recomendo para aqueles que tiverem filhos ou irmãos menores, que indiquem esse livro para primeira leitura - minha irmã também leu quando completou seus 10 anos. Eu confesso que preciso usar mais o jogo do contente na minha vida, afinal Pollyanna nos ensina que para  tudo de ruim que as vezes nos acontecem, existe uma coisa boa se pararmos para pensar. Espero que tenham gostado do meu post! Se leram o livro ou ainda não ler, comentem aqui. Vou adorar conversar sobre a Pollyanna com todos vocês. (;




Jackie Cerone
5

Resenha: A Invenção das Asas - Sue Monk Kidd - Editora Cia das Letras

Sinopse:

Em sua terceira obra, Sue Monk Kidd, cujo primeiro livro ficou por mais de cem semanas na lista de mais vendidos do New York Times, conta a história de duas mulheres do século XIX que enfrentam preconceitos da sociedade em busca da liberdade. Sue Monk Kidd apresenta uma obra-prima de esperança, ousadia e busca pela liberdade. Inspirado pela figura histórica de Sarah Grimke, o romance começa no 11º aniversário da menina, quando é presenteada com uma escrava: Hetty “Encrenca” Grimke, que tem apenas dez anos. Acompanhamos a jornada das duas ao longo dos 35 anos seguintes. Ambas desejam uma vida própria e juntas questionam as regras da sociedade em que vivem.

Minha Opinião:

A Invenção das Asas foi uma leitura surpreendente e marcante, ao iniciar a leitura não sabia que ele iria me tocar e encantar tanto quanto encantou, perfeito é pouco para descrevê-lo, o melhor seria descrevê-lo como choque de realidade que todos deveriam ter, seja nos dias de hoje, seja antigamente.

O barulho estava na sua lista de pecados dos escravos, que nós sabíamos de cor. Número um: roubar. Número dois: desobedecer. Número três: preguiça. Número quatro: barulho. Um escravo devia ser como o Espírito Santo: não se vê, não ouve, mas sempre esta por perto, a postos.”

O livro narra à história das duas personagens principais desse livro, Sarah Grimké e Hetty “Encrenca”, duas garotas com idade aproximadas, mas que não poderiam viver realidades mais diferentes.

Sarah é uma garota rica e sonhadora, mas que vive omissa por seus pais e a sociedade, ela nunca entendeu o porquê dos escravos serem tratados de forma tão desumana e imagina que um dia, poderá ser dona de suas próprias opiniões e mudar sua vida e dos escravos que a cerca.

Já Hetty é uma verdadeira “Encrenca” como é chamada, mesmo sendo escrava, não consegue entender que deve “obediência” a seus donos, então vive se metendo em encrencas, principalmente por desrespeitar “sua” senhora.

O caminho das duas começa a se entrelaçar quando Sarah faz 11 anos e ganha de presente Hetty para ser sua escrava pessoal, inconformada com essa situação, Sarah passa a lutar pela liberdade de Hetty e todos os escravos a sua volta, mas sem ter voz ativa dentro da família, ela começa a se calar e ver que não conseguirá mudar o mundo, mas suas esperanças são renovadas quando nasce sua irmã mais nova Nina, que compartilha de suas idéias e tem algo que ela sempre quis ter, coragem, de enfrentar a tudo e todos e lutar pela causa que acredita.

... Permanecer em silêncio frente ao mal é, em si, uma das formas do mal.”

A leitura desse livro foi emocionante, me peguei em diversas passagens chorando e imaginando tudo que os escravos passaram e como é a sensação de impunidade, de “pertencer” a alguém, não ter vontade própria e ver sua vida passar tão depressa sem ter o direito de escolher para que lado seguir, aonde ir ou o que fazer, ser privado de opinião, escolha e liberdade.

Cada uma das personagens principais me marcou de uma forma diferente, Sarah por seus ideais e pelos sacrifícios que fez para conseguir alcançar o que queria, Nina por ser valente, dona de suas opiniões e saber levá-las adiante, seja diante de quem fosse e principalmente Hetty, por crer que não pertencia a ninguém, que por mais que fosse escrava, cabia a ela reger sua vida, mostrando força e perseverança nos piores momentos possíveis, e quando digo piores, são momentos cruéis que é difícil saber como um ser humano pode sobreviver a tamanha monstruosidade humana e Hetty sobreviveu, sempre querendo mostrar que era dona de si, não do seu corpo, mas de sua alma.

Meu corpo pode ser escravo, mas não minha mente.”

Boa parte do que é narrado nesse livro, é baseado em uma história real, das irmãs Grimké que adorei conhecer mais ao final do livro, quando a autora nos conta um pouco da vida real dessas duas irmãs que contribuíram tanto pela liberdade dos escravos e das mulheres. No final, me emocionei com o que a autora cita, e gostaria de compartilhar com todos, pois é exatamente dessa forma que me senti ao ler o livro, Sue Monk Kidd conseguiu me envolver em cada página e me fazer refletir sobre cada gesto e pensamento que tenho.

A história não são apenas fatos e eventos. A história também é a dor em nosso coração, e nós repetimos a história até que sejamos capazes de fazer nossa a dor no coração de outro”

A edição desse livro esta impecável, a capa é linda, singela e tem tudo haver com a história, os pássaros simbolizam a liberdade que todos deveríamos ter e o título é simplesmente encantador, com uma sutileza incrível e a narrativa da autora, esse livro é sem palavras para descrevê-lo, pois encantador é pouco para tudo que senti ao -lo.

Recomendo essa leitura para todos, independente da idade ou gosto literário, pois tenho certeza que assim como eu, você irá se deparar com uma grande história, que poderia ser de qualquer um de nossos ancestrais, que mereceu ser escrita e que merece com toda certeza, ser lida.


Beijus

Renata Sara

4

[Resultado] Top Comentarista do mês de Março

Olá pessoal, tudo bem?

Finalmente, depois de muito tempo, saiu o resultado do Top Comentarista do mês de Março. Primeiramente gostaria de me desculpar pela demora, estava sem acesso a internet, portanto não conseguia contar os comentários, por esse motivo o blog ficou meio paradinho também :( Continuo sem net, mas consigo acessar de vez em quando, e já consegui colocar as resenhas em ordem, então vem muita novidade por aí : D

Mas vamos ao que interessa? Houve novamente um empate, dessa vez entre 9 pessoas e conforme o confirmado, segue o número de sorteio de cada um, baseado na ordem em que se inscreveu para o top.


1 - Bruna Souza, 2 - Dani Kaulitz, 3 - Priscila Domingues, 4 - Janna Granado, 5 - Larissa Santos, 6 - Geórgia Alice, 7 - Nathalia Silva, 8 - Paulinha S. e 9 - Duda Santos e a sortuda foi :



Parabéns Priscila Domingues !!! Você tem até 3 dias  para responder ao email que lhe será enviado, caso não responda um novo sorteio sera realizado, e para quem não ganhou, fiquem calmos, mês que vem o top volta com tudo ! Continuem comentando, pois notei que muita gente deixou de comentar esses últimos dias :(

Beijus

Amor de Livros
2

Tag Especial trilha sonora da vida

Oi!!!  Geralmente não respondo a tags, mas adorei essa tag que vi no blog da Dani LIVROS A JANELA DA IMAGINAÇÃO.

Regras
1. Abra sua lista de música (ipod, itunes, windows media player, etc.);
2. Coloque no modo shuffle/random/aleatório;
3. Aperte o play;
4. Para cada pergunta abaixo, escreva o nome da música que esteja tocando;
5. Quando passar para a próxima pergunta, aperte o botão pra avançar pra outra faixa;
6. Não minta e não tente parecer legal.

Vou usar as músicas do meu celular.

Vamos lá:

1.Tema do seu nascimento:
* Don’t you remember – Adele
“Bem romântica para esse tema né?”

2.Primeiro dia na escola:
* Shimbalaiê – Maria Gadu
“Adorooooo”

3.Primeiro amor:
* Confesso – Ana Carolina
“Não conheço a música muito bem, mas até que é romântica.”

4.Primeira decepção amorosa
* Rumor has it - Adele
“Não ouço muito essa musica, mas acho que combinou.”

5.Tema de sua vida escolar
* Toxic – Britney Spears
“Adoro!!!! Não tem nada a ver com a vida escolar.”

6.Primeira briga
*  Codinome beija-flor – Cazuza
“Adoro. Combinou!!! Kkkkk”

7.Primeiro porre
*Dynamite – Tayo Cruz
“Outra que combinou... Na balada, colocando as mãos pra cima!!! Essa música sempre me anima.”

8.Tema atual da sua vida
*O que é que tem – Jorge e Mateus
“Outra que até que combinou, adoro as letra”

9.Sua canção de namorados
* Pura Adrenalina - Belo
“ Gosto muito e acho que combinou sim!”

10.Primeira traição
* Viva La Vida - Coldplay
“Uma das minhas favoritas que nunca enjoo, mas não tem nada a ver com traição”

11.Música de seu casamento
* Sober - Pink
“Não teve no meu casamento kkkkkk”

12.Trilha sonora para sua primeira vez
* É isso ai – Ana Carolina
“ Combina né gente, mas a minha foi Behind Blue Eyes!” o.O

13.Trilha sonora para as demais vezes
* The lazy song – Bruno Mars
“Ah, a letra não combina, mas eu ouviria… rs”

14.Primeira canção em seu carro
* Fui Fiel – Gustavo Lima
“Tá, eu ia gostar.”

15.Primeira viagem de carro
* O último Romantico – Lulu Santos
“Prefiro outras, mas essa quebra um galho.”

16.Tema de seus flashbacks
* Onde haja sol – Jorge e Mateus
“ Amo, e como essa musica é antiga acho que deu certo.. kkkk”

17.Tema nascimento do seu primeiro filho
* Break you heart – Taio Cruz
“Não combinou, pois quando minha bebê nasceu estava tocando “A thousand years – Christina Perri”

18.Música que estará ouvindo quando morrer
* Pra você guardei o amor – Nando Reis
“Ai credo.”

19. Musica do funeral
* Zombie – The Cranberries
“ Ai credo, ai credo, ai credo”

20.Música Que cantará para todos de onde estiver
* Welcome to St. Tropez – Timati feat Kalenna Harper
“Eu topo, não consigo viver sem essa música.”

Espero que tenham gostado, quem quiser é só levar a Tag.


Bjssss

Eunice Ely
7

Resenha: Casamento Blindado - Renato & Cristiane Cardoso - Thomas Nelson Brasil




Sinopse: O que você faria se tivesse de proteger um grande tesouro? Guardaria esses bens mais preciosos num simples armário ou entregaria tudo aos cuidados de um banco com cofre bem seguro? Se a resposta é óbvia no que diz respeito a bens materiais, mais ainda quando se trata de uma riqueza muito maior: o casamento. Alvo de ataques, ele precisa ser devidamente protegido. Em Casamento Blindado, o casal Renato e Cristiane Cardoso apresenta orientações para todo casal que reconhece o valor da vida conjugal e deseja resguardá-la do risco do divórcio. Para isso, eles se valem da longa experiência adquirida durante os anos em que aconselharam e ministraram cursos a milhares de casais, e que compartilham também como apresentadores do programa The Love School - A Escola do Amor.

Minha opinião: Antes de tudo quero deixar bem claro que não estou em crise no meu casamento de 6 meses, apenas quero blindar o meu casamento para que continue assim ou melhore cada vez mais.

"Sozinho você consegue o possível. Com Deus você consegue o impossível."

Apesar que eu e o meu marido temos o pavio curto, somos escorpianos e muitas vezes não concordamos com muitas coisas. Esses dias eu estava andando no shopping e dentro de uma banca tinha esse livro e me deu uma louca vontade de folhear, então comprei, sentei na praça de alimentação e comecei a ler. O livro é muito bom e se não vai ajudar, pelo menos não atrapalha em nada e eu acredito que pra mim ele trouxe muitas lições e concordo com muita coisa escrita nele.

Uma coisa que eu sempre digo é que antes de gostarmos de uma pessoa e dedicarmos todo nosso tempo para ela, temos que fazer isso com a gente mesmo, e casamento blindado só me fez crer que as minha ideias sobre companheirismo estavam certas.

" Amar é conhecer a outra pessoa, admirar o que você conhece dele e olhar seus defeitos positivamente. Se nos dedicarmos, podemos aprender a amar qualquer pessoa ou coisa."

Não sou um doce de esposa e o meu marido não é perfeito, mas vivemos para tornar um casamento duradouro e sem nos ofender porque cada um gosta de uma coisa, de um esporte, de livros, de outras coisas, muitas vezes fazemos coisas separadas, mas não deixamos de jantar, de assistir algo juntos na tv e de passarmos o final de semana como uma família

Acredito que temos algumas vezes que trabalhar mais, ou que ele tem que jogar bola pelo menos uma vez por semana e se antes ele fazia isso, só porque casou não acho que ele deva viver em uma prisão e se um dia ele dizer que não quer mais viver comigo vou aceitar.

Calma gente, não é que eu não ame o meu marido, mas acima de tudo quero ser feliz e quero que ele seja feliz, mas não adianta eu colocar uma arma na cabeça dele e obriga-lo a ficar comigo, não, pelo contrário, quero que ele sinta vontade de estar comigo assim como sinto saudades até quando ele sai para  trabalhar, mas se um dia ele dizer que não quer mais viver comigo, vou ter que entender e deixar que ele parta para uma vida melhor. Dói só de pensar, então por isso que tento viver em harmonia, com amor, ternura, ajudando quando posso e sendo uma esposa que ele aprove, para que eu não sofra lá na frente, mas não posso privar-me das minhas ideias e dos meus objetivos somente para agradá-lo.

"A maioria dos problemas matrimoniais é recorrente, portanto não basta você saber resolver o problema de hoje, é preciso cortar o mal pela raiz para que ele não surja de novo lá na frente."

Já errei muitas vezes no nosso casamento e ele também, mas espero que esses erros tenha nos amadurecido. 

Gostei bastante do livro e li em apenas um dia, sentindo prazer a cada frase dita, como se estivesse aprendendo novas palavras. A cada final de capitulo temos lições na qual podemos nos sujeitar a completar, eu ainda não fiz, mas quero fazer.

Sei que escrevi muitas coisas a meu respeito e pouca coisa do livro, mas sugiro que vocês leem um pouco e depois dê uma olhada na resenha novamente. O Renato e a Cristiane sofreram um bocado no começo do casamento, pois como eles próprios disseram, todo mundo sabe casar, mas ninguém sabe o que vem depois do casamento, e não ganhamos um livro do dia a dia, de como vai ser, de como temos que agir.

Recomendo a todas as pessoas a lerem esse livro, tanto para os casados, para os solteiros que querem um casamento duradouro.

Bjsss


Eunice Ely
3

Resenha: A Filha do Louco - Filha do Louco - Livro 01 - Megan Shepherd - Editora Novo Conceito


Sinopse: Juliet Moreau construiu sua vida em Londres trabalhando como arrumadeira - e tentando se esquecer do escândalo que arruinou sua reputação e a de sua mãe, afinal ninguém conseguira provar que seu pai, o Dr. Moreau, fora realmente o autor daquelas sinistras experiências envolvendo seres humanos e animais. De qualquer forma, seu pai e sua mãe estavam mortos agora, portanto, os boatos e as intrigas da sociedade londrina não poderiam mais afetá-la... Mas, então, ela descobre que o Dr. Moreau continua vivo, exilado em uma remota ilha tropical e, provavelmente, fazendo suas trágicas experiências. Acompanhada por Montgomery, o belo e jovem assistente do cirurgião, e Edward, um enigmático náufrago, Juliet viaja até a ilha para descobrir até onde são verdadeiras as acusações que apontam para sua família.


Minha opinião:

Olá pessoal, estou um pouco nervosa por essa ser a minha primeira resenha, bom, tudo é meio novo para mim. Mas eu espero que gostem e aprovem. 

A Filha do Louco é um livro que me surpreendeu bastante. Eu passei a noite lendo e não me arrependi! Sou apaixonada pela capa, o vestido que Juliet usa foi o que mais me encantou, sem esquecer o cenário, que aos meus olhos é perfeito. 

No início da estória a nossa querida personagem está em seu trabalho e logo depois é surpreendida por uma situação muito inquietante. Depois de algumas páginas, tudo começa a se desenvolver dentro de uma ilha tropical. Mistério. É uma boa palavra para definir o livro. Após anos ela reencontra um conhecido, e esse conhecido tem o poder de mudar tudo, e ele muda.

O livro relata a história de Juliet Moreau, uma garota que foi afastada da sociedade por conta dos crimes que seu pai cometeu. Henri Moreau era o melhor cirurgião da Inglaterra, mas um escândalo o tornou o pior homem de todos, quando desvendaram o seu maior segredo: Suas experiências que envolviam humanos e animais em uma conturbada troca de órgãos. Como um excelente covarde que era, abandonou sua filha e sua esposa, deixando então um mistério no ar: Dr. Moreau estava vivo ou morto? Será que a morte o aceitaria ou o temeria como todos? A mãe de Juliet sempre se esforçou para dar do bom e do melhor para a filha, mas infelizmente acabou falecendo, deixando então a garota sozinha no mundo a mercê de sua própria sorte.

- Não estamos falando sobre o que é ou não verdade, Juliet. Estamos falando sobre as coisas nas quais as pessoas querem acreditar – disse ele, com esfregando a testa. – Você ainda é jovem. Não sabe o quanto o mundo pode ser injusto.”

O que mais me chamou a atenção foi à experiência entre animais e humanos, é algo cruel e medonho, mas é fascinante ao mesmo tempo. De certo modo houve um triângulo amoroso, e para a minha infelicidade, o escolhido não foi de meu agrado. 

Eu particularmente gosto de livros narrados em terceira pessoa, mas nesse caso, a narrativa foi o que mais me impressionou. Eu me senti como a própria Juliet, e por alguns minutos, me tornei a filha do louco. 

 O final do livro me deixou boquiaberta, tudo que eu imaginei que aconteceria não ocorreu, e não fique nem um pouco desapontada por isso. E aqui eu encerro minha resenha dando cinco estrelas ao livro, fiquei muito feliz ao saber que ele teria continuação, e por esse fato estou dando as cinco estrelas. Tenho certeza que todas as dúvidas que tive serão esclarecidas no próximo livro. É isso, até a próxima! 

                                                              
                                                                 Beijos :3

                    Bia Cerone





13

[Por Dentro dos Filmes] Uma Ladra Sem Limites


Sinopse:

Sandy Patterson (Jason Bateman) é um paizão, trabalhador e anda louco por uma promoção para melhorar a saúde financeira da família que vai crescer ainda mais, já que sua esposa (Amanda Peet) está grávida. Quando ele estava prestes a dar um salto profissional significativo, descobre que seu nome está sendo usado indevidamente por alguém em outro estado. Com a polícia de mãos atadas para resolver o seu caso, ele resolve viajar para convencer a pilantra (Melissa McCarthy) a se entregar. Só que a missão fica ainda mais complicada na medida que outras pessoas, entre eles um caçador de recompensas, também querem a cabeça dela.

 Minha Opinião:


Uma Ladra Sem Limites é aquele típico filme para assistir quando se quer dar altas gargalhadas. Assisti ele em um final de domingo e me diverti muito!


O filme conta a história de Sandy Patterson, ele trabalha há anos na mesma empresa, tem duas adoráveis filhas e sua esposa esta gravida de um terceiro filho, como os seus gastos sempre são bem calculados, ele tem pouco dinheiro para aguardar a chegada de seu filho, então ele consegue enfim, sua tão sonhada vaga prestigiada em outra empresa. Tudo estaria ótimo se ele não descobrisse que esta devendo uma verdadeira fortuna e que todos os seus cartões de crédito estão estourados.




Quando ele resolve ver o que esta acontecendo, recebe a noticia de que como o golpe foi feito em outro estado, a polícia não pode ir atras da pilantra, então cabe a ele ir atrás dela e convence-la a  se entregar e limpar sua barra.


É claro que existem muitos encontros e desencontros ao longo do filme, a pilantra em questão é uma golpista profissional e hilária, você se diverte muito vendo todas as geringonsas que ela comprou e porque faz tudo o que faz.




Terminei de assistir o filme com um sorriso no rosto e a sensação de que tinha valido muito a pena ter escolhido aquele filme para passar meu fim de noite. Recomendadíssimo.

Trailer





Beijus

Renata Sara