2

Falando sobre blogs #2 [TLT]

Oi gente, faz mais ou menos uns quatro anos que eu acompanho o blog/vlog TLT e antes eu não gostava da Tati, achava ela MUITO metida(eu e a minha mania de julgar as pessoas), mas aí toda vez que eu ia procurar alguma resenha no you tube encontrava com alguma resenha dela e viciei... E por esses tempos eu entro todo dia para ver se ela postou algo, acho que viciei.

A Tati lê muitos livros clássicos e o modo que ela conta a história faz eu desejar o livro mais que tudo... Ela consegue tornar o livro mais mágico ainda.

Acho que 90% dos blogueiros conhece o vlog dela, mas se você ainda não conhece, eu sugiro que você dê uma olhada, porque realmente vale muito a pena.


Ela tem o blog, o vlog e instagran, vou deixar aqui os endereços:

YouTube: https://www.youtube.com/user/tatianagfeltrin
Blog: http://www.tatianafeltrin.com/
Instagran: http://instagram.com/tatianafeltrin

Um dos videos que eu mais gosto dele é esse aqui, acho que vale a pena conferir, mas é muito difícil escolher apenas um vídeo dela, as vezes passo um Domingo inteiro vendo os videos, ela fala com tanta clareza que eu fico imaginando EU na  história... rs


Espero que vocês tenham gostado da dica! Beijos e até a próxima.



1

Falando sobre... Hitler

Oi gente! Esses dias acordei com a Hitler na minha cabeça e a coitada ficou uma confusão só, pois eu sempre fui muito mal na escola e nunca dei ouvidos a essa história. Só que agora eu queria saber tudo e não sei nada.

Ontem eu deitei para dormir e falei para o meu marido me dizer como foi que Hitler morreu(sim eu não sabia), e ele me disse que ele foi envenenado, que talvez pela mulher dele até e também com um tiro. Achei a história bem interessante e gostaria de começar a ler um livro, só que pesquisei na net e tem MUITOS livros do assunto.

Uma pessoa disse para eu começar com o livro Minha luta, que conta a história dele por ele mesmo, mas ai já sei de que lado vou ficar né? E eu realmente não quero ficar do lado do Hitler... rs

Bom, pesquisei mais alguns livros e vou deixar aqui a capa e a sinopse pra vocês:






Esse é o livro que Adolf Hitler escreveu quando estava preso, para tentar explicar a sua história: Minha Luta foi escrito quando Hitler se encontrava preso por uma tentativa frustrada de golpe. Como ele mesmo disse a intenção da obra era expor a ideologia do Partido Nacional Socialista. Foi escrita em 1924 e continha em gérmen tudo o que o Nazismo viria a realizar quando tomasse o poder. 











Esse livro do Ian Kershaw tem mais de mil páginas e disseram que a obra é ótima, porém muito cansativa. Considerada pela imprensa internacional a biografia definitiva do ditador alemão, Hitler, do inglês Ian Kershaw, alia fluência narrativa e rigor histórico para contar a vida da personalidade mais sinistra do século 20.







Esse daqui me chamou bastante a atenção, por se tratar de uma mulher que o desafiou, No verão de 1940, quando a ocupação nazista na França se tornou irremediável, a vida da historiadora de arte Agnes Humbert tomou um rumo surpreendente. Inconformada com a dominação nazista, movida por uma coragem ímpar e com o apoio de seus colegas do Museu do Homem em Paris, Agnès fundou um dos primeiros grupos da Resistência francesa. Durante quase um ano, ela e seus companheiros redigiram, imprimiram e distribuíram o jornal Résistance, além de panfletos e outros textos contra o governo de Vichy.



"Um professor especialista em nazismo e II Guerra Mundial, começa a ter insônia e pesadelos, como se estive vivendo as atrocidades do Nazismo. A partir disso o passado passa a ser vivo para ele. Em um ponto de desatino, sobe na mesa da sala de aula e diz que os alunos são parceiros de Hitler. Sua intenção é, na verdade, provocar a sensibilidade e a curiosidade de seus alunos. Bem quisto por alguns, mas muito criticado e até processado por outros, ele é banido da universidade. Mas fica famoso recebendo diversos convites para conferências enquanto se esconde de um estranho complô nazista que tenta a todo custo assassiná-lo. Seu reconhecimento como grande historiador faz com que receba um convite de cientistas alemães, que pesquisam uma máquina complexa, financiada pelas forças armadas e que usa a teoria da relatividade e da quântica para conseguir viajar no tempo. Mas por que ele? O convite então se torna claro: tudo o que os alemães querem é alguém com competência suficiente para voltar no tempo, matar Hitler e mudar a história. Apesar de eliminar todo o mal causado por Hitler, conseguiria ele chegar à infância do ditador e assassiná-lo. Faria ele esta atrocidade?" 



Nesta biografia equilibrada e imparcial de Adolf Hitler, Fernando Jorge, consagrado biógrafo de Aleijadinho, Santos Dumont e Paulo Setúbal, reconstitui a trajetória do Führer em toda a sua dimensão monstruosa e também humana, desde a pobreza na sua Áustria natal, a tentativa frustrada de se tornar pintor, seu encantamento com o pangermanismo e o antissemitismo da época, até sua ascensão ao poder supremo na Alemanha, causando a Segunda Guerra Mundial, cujo saldo foi de milhões de mortos e uma destruição sem precedentes, que só teve fim com o suicídio dele numa casamata sob as ruínas de Berlim. Buscando nas deformidades do caráter do ditador a verdadeira origem da selvageria nazista, o autor nos deleita com a beleza de sua prosa e com a abrangência de sua erudição, tintas multicoloridas com que pintou este retrato fidedigno e irretocável da pior tirania da História.


São tantos livros sobre Hitler que eu fiquei perdida, gente, são muitos e tem outros livros com histórias paralelas.. acho que deve ser interessante se aprofundar nessa história. Aqui embaixo vou deixar a capa de outros livros sobre Hitler ou relacionados e se vocês já leram algo, me contem o que acharam.




Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.
"Um livro maravilhoso." - The Guardian
"Intenso e perturbador [...] pode-se tornar uma introdução tão memorável ao tema como O diário de Anne Frank foi em sua época." - USA Today
"Um livro tão simples e tão bem escrito que beira a perfeição." - The Irish Independent





A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.

Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.

A obra fala sobre a vida de Olga Benário alemã, judia e comunista, que se envolveu com Luís Carlos Prestes. Ela veio ao Brasil para lutar com ele pelos ideais comunistas. Acabou sendo presa e deportada grávida para a Alemanha pelo governo brasileiro, tendo como presidente Getúlio Vargas. Morreu numa câmera de gás de um campo de concentração em 1942. 









Piotr Bruck era apenas um menino polonês quando os nazistas mataram seus pais e invadiram seu país. Seu destino parecia traçado: acabaria num orfanato e depois seria um trabalhador escravo. Mas seus olhos azuis, cabelo loiro, pele clara e estatura faziam dele um exemplo da raça pura, um modelo para a Juventude Hitlerista. Então, os alemães o entregaram a uma família nazista... O que seus olhos vivenciaram o transformaria para sempre. Afinal, ele deveria ou não lutar pela humanidade? De qual lado deveria estar? Uma escolha difícil que faz desse livro um romance arrebatador.







Um livro definitivo sobre o declínio de Hitler. O cotidiano do ditador naqueles dias dramáticos, os surtos de euforia e a depressão diante da derrota inevitável. Um relato histórico precioso escrito por um dos maiores especialistas em Terceiro Reich. O autor relembra em seu relato um acontecimento que significou, para uma geração inteira, nada menos do que o fim do mundo. Mais do que isso, ele nos revela os bastidores desse apocalipse, mostrando como o ocaso de um violento ditador arrastou consigo um país inteiro. O livro traz ainda perfis dos principais membros da entourage pessoal de Hitler, dominada pela competição e pela intriga até os instantes finais do Führer.







Este livro trata dos horrores da Segunda Guerra Mundial sob a ótica do carrasco. São as memórias de Maximilien Aue, jovem alemão de origem francesa que, como oficial nazista, participa de momentos sombrios da recente história mundial - a execução dos judeus, as batalhas no front de Stalingrado, a organização dos campos de concentração, até a derrocada final da Alemanha, em 1944. Mas Aue não tem somente lembranças de guerra. Vivendo anonimamente na França, onde administra uma tecelagem, ele se recorda, também, de sua deturpada relação com a família, compondo um livro impressionante, assombrado tanto por sua fria meticulosidade quanto por seu delírio insano. 



Fiquei muito interessada em todos e vocês???




2

Resenha: 12 anos de escravidão - Salomon Northup


Nome: 12 anos de escravidão
Autor: Solomon Northup
Editora: Companhia das letras
Páginas: 280 
Ano: 2014
Classificação: 3,5 / 5


Oi gente! Hoje a resenha é de um livro super melancólico, realista e profundo.

A extraordinária história do violinista Solomon Northup, um negro livre que foi sequestrado e vendido como escravo. Por doze anos ele trabalhou em diversas fazendas na Louisiana até ser libertado em uma batalha judicial. "Doze anos de Escravidão" narra a história real de Solomon Northup, negro americano nascido livre que, por conta de uma proposta de emprego, abandona a segurança do Norte e acaba sendo sequestrado e vendido como escravo. Durante os doze anos que se seguiram ele foi submetido a trabalhos forçados em diversas fazendas na Louisiana. Este relato autobiográfico, publicado depois da libertação de Northup, em 1853, logo se tornou um best-seller, e hoje é reconhecido como a melhor narrativa sobre um dos períodos mais nebulosos da história dos Estados Unidos. Verdadeiro elogio à liberdade, esta obra apresenta o olhar raro de um homem que viveu na pele os horrores da escravidão.

Minha opinião:

O livro conta a história de Solomon Northup, um negro livre que foi vendido como escravo e sequestrado por 12 anos. Conta desde os momentos que morava com a sua familia sossegado e feliz, depois o venda e seus 12 anos de sofrimento e luta até ser livre novamente, mas infelizmente sem doze anos com a sua família.

Livro para você pensar muito, que você pode ter muitos problemas, mas que as vezes você poderia estar em uma pior e fica só reclamando da vida.

“Agora, sob a sombra de uma nuvem escura, adentro as densas trevas em meio às quais logo desaparecerei, para ser, a partir de então, oculto dos olhares dos meus entes queridos e privado da doce luz da liberdade, por muitos anos de extenuante sofrimento.”

Além da história de Solomon, ainda temos algumas em paralelo e não lembro o nome de uma mulher, que foi vendida, mas lembra da dor que foi a separação dela e de sua filha, pois cada uma foi vendida para uma pessoa diferente, e a cena contada de uma forma que doeu e muito, consigo sentir a dor de um mãe que nunca mais vai ver seu filho.

O livro é muito bom e recomendo para todos sem exceção, para que possamos refletir mais sobre a vida e o que fazemos com ela e nesse caso, o que fizeram com ela.

Deixando aqui o trailer do filme, 12 anos de escravidão que levou o Oscar de melhor filme, melhor atriz coadjuvante e melhor roteiro adaptado. Com certeza irei assistir o mais breve possível



                        Eunice Ely



0

Instagram Amor de Livros / Eunice



Oi gente!

Encontre-me no Instagram, além de postar sobre livros, posto sobre tudo, o que acaba deixando os leitores mais próximo.

@euniceely

Beijos e boa quinta!
1

Resenha: Eleanor & Park - Rainbow Rowell - Novo século

Sinopse:

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Minha opinião:

Oi gente, então... eu li Eleanor & Park. E quase que não escrevo essa resenha porque o livro começa tão lidinho... Com pensamentos de ambos tão fofos que a cada frase eu suspirava e de repente, assim, acontece uma coisa que eu odiei e foi inesperada, aí eu corri para o skoob para ver as resenhas e todo mundo gostou. Como assim??? To ficando velha e chata demais, só pode, porque eu não concordo com aquilo. 

Eleanor é a menina feia da história, que foge dos padrões de beleza e de todo o resto, tem 16 anos e muda de escola, logo no ônibus, já vê a rejeição de todo mundo, que não a deixa se sentar, mas um garoto mestiço acaba cedendo um lugar ao seu lado, não de um modo super educado, mas pelo menos agora Eleanor tem um lugar. Esse é Park, que não é um cara super famoso na sua escola, ele é neutro, curte música e gibis, um geek.

Gostei muito da relação dos dois e gostei das musicas que eles ouviam e acho que a partir de agora vou associar a música
 Never tear us apart do INXS para sempre a esse livro. Marcou demais, porque é uma das musicas que eu mais gosto... e eles falam de um livro que eu estou louca pra ler, chamado O apanhador no campo de centeio, que é um clássico.

"Eleanor tinha razão. não tinha boa aparência. Era como uma obra de arte, e arte não deve ter boa aparência, mas sim fazer a gente sentir alguma coisa."


Bom, eu recomendo o livro e muito, gostei muito de ter conhecido Eleanor & Park... E vai virar filme!!! 

Ahhh eu encontrei na net algumas imagens que representam Eleanor e Park e achei tão lindas e perfeitas!





Lindos né? Beijos e até a próxima


Eunice Ely




1

Extraordinário - R J Palacio - Intrinseca

Sinopse:


O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

Minha opinião: 

Oi gente! Hoje trago a resenha de um livro que eu comprei no começo do ano e não tinha lido até agora, mas tenho um grupo no facebook com a Re do blog e a Janna do blog Livros Pura diversão e é também um clube do livro, porque as vezes resolvemos as três ler o mesmo livro, e é só alegria. =)

Quer dizer, no caso desse livro não é tanta alegria, porque aqui temos a história de August, um garoto que nasceu com deformidade facial, que entra para a escola e é o pior inferno, onde surge preconceito e pessoas muito más.

''A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga dessa forma"

O livro é muito interessante, pois começamos com ele contando a história, mas a cada capítulo que passa temos diversos personagens contando a história, e ficou muito interessante sentir o que os outros sentem e não somente o que August sente. A parte que mais me comoveu foi a de sua irmã Via, que realmente é tocante, mas acho que dá para entender a maioria dos personagens, com exceção a uma pessoa.

Eu recomendo muito o livro para todos. Acho que todos tem que conhecer o August e ver como é a realidade de vida de algumas pessoas, tenho certeza que você vai se apaixonar por ele e por outros personagens.

Então é isso, eu gostaria muito de ficar falando mais sobre o livro, mas infelizmente não quero dar spoilers aqui, só quero deixar claro que eu recomendo para todos, de todas as idades e que gostem de todo tipo de leitura, vale muito a pena, principalmente para a sua alma.

A minha capa é a capa azul e eu adorei a capa e dentro do livro também é muito bonitinho, a diagramação é ótima e não tenho uma virgula para falar mal do livro. Vou dar quatro estrelas porque eu não chorei, e eu adoro chorar nessas leituras... rs

"Não precisamos dos olhos para amar certo? Apenas sentimos dentro de nós. É só amor. E ninguém se esquece de quem ama."

Beijos amores e até a próxima!


Eunice Ely

2

Jogos Vorazes - A Esperança


Oi gente!!!! E hoje é o lançamento de Jogos Vorazes A esperança parte 1.

Quem está animado???

Após ser resgatada do Massacre Quaternário pela resistência ao governo tirânico do presidente Snow (Donald Sutherland), Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) está abalada. Temerosa e sem confiança, ela agora vive no Distrito 13 ao lado da mãe (Paula Malcomson) e da irmã, Prim (Willow Shields). A presidente Alma Coin (Julianne Moore) e Plutarch Heavensbee (Philip Seymour Hoffman) querem que Katniss assuma o papel do tordo, o símbolo que a resistência precisa para mobilizar a população. Após uma certa relutância, Katniss aceita a proposta desde que a resistência se comprometa a resgatar Peeta Mellark (Josh Hutcherson) e os demais Vitoriosos, mantidos prisioneiros pela Capital.


Passei para deixar o trailer e desejar um bom filme pra vocês.
Quem quiser vem contar depois como foi o filme.
Beijos!
1

Melancia - Marian Keyes - Bertrand do Brasil

Sinopse:

Foi demais da conta para Claire o dia do nascimento da sua filha. Ao acordar no quarto do hospital depara com o marido olhando-a na cama. Deduzindo tratar-se de algum tipo de sinal de respeito, ela nem suspeita de que ele soltará a notícia da sua iminente separação: “Ouça, Claire, lamento muito, mas encontrei outra pessoa e vou ficar com ela. Desculpe quanto ao bebê e todo o resto, deixar você desse jeito...” Em seguida, dá meia-volta e deixa rapidamente o quarto. De fato, ele sai quase correndo. Com 29 anos, uma filha recém-nascida nos braços e um marido que acabou de confessar um caso de mais de seis meses com a vizinha também casada, Claire se resume a um coração partido, um corpo inteiramente redondo, aparentando uma melancia, e os efeitos colaterais da gravidez, como, digamos, um canal de nascimento dez vezes maior que seu tamanho normal! Não tendo nada melhor em vista, Claire volta a morar com sua excêntrica família: duas irmãs, uma delas obcecada pelo oculto, e a outra, uma demolidora de corações; uma mãe viciada em telenovelas e com fobia de cozinha; e um pai à beira de um ataque de nervos. Depois de muitos dias em depressão, bebedeira e choro, Claire decide avaliar os prós e contras de um casamento de três anos. E começa a se sentir melhor. Aliás, bem melhor. É justamente nesse momento que James, seu ex-marido, reaparece, paea convence-la a assumir a culpa por te-lo jogado nos braços de outra mulher. Claire irá recebê-lo, mas lhe reservará uma bela surpresa...

Minha opinião:

Há uns cinco anos eu li esse livro em um dia, e como o li tão rápido e não gostei resolvi reler, pois resolvi que quero ler todos os livros da Marian Keyes ainda esse ano.

Nesse primeiro volume da família Walsh, temos Claire que é abandonada pelo marido na maternidade no dia que dá a luz a uma bebezinha. Seu marido chega e vai logo dizendo que tem um caso e a abandona ali, naquele hospital e Claire se vê sozinha, com uma filha para cuidar enquanto o marido está tendo um caso com a vizinha.

Claire volta para a casa dos pais e com duas irmãs nada normais. Depois de muitos dias chorando, chorando e chorando, ah e bebendo e pensando em tudo o que aconteceu e no que ELA fez de errado para o marido abandona-la. Claire muda sua história, conhece pessoas novas e tenta voltar para o seu marido, que a culpa por terem se separado.

Marian Keyes sabe escrever muito bem e desenvolver a história magicamente, a primeira impressão é que a história é bem maçante, que o livro não anda, porque ela detalha demais e conta a sua vida praticamente inteira, mas ao longo que a história vai acontecendo, você entende perfeitamente porque ela foi tão a fundo.

Claire amadurece ao longo da história e acaba se identificando com ela de algum modo, seja na gravides, pelo corpo, pela família, ou traição, em algum momento você acaba pensando que aquela é a sua história em algum ponto.
As irmãs de Claire são MUITO engraçadas, uma mais diferente do que a outra, Anna é uma fofa, mas Helen é um terror! Os pais são “interessantes”. Pra mim não são pais normais, que geralmente nós temos, mas acho que só lendo para entender.

Vou falar um pouco de James, mas bem pouco, porque ele é um tipo de personagem que eu tenho asco. ODEIO machões que se acham e James é muito convencido. Um completo imbecil e nunca dá o braço a torcer.

E chegou na parte que tenho que falar no Adam, mas podem me matar, um Adam não existe na vida real, minha singela opinião haha. Tipo perfeito, bonzinho e tudo de bom que existe, é amigas e amigos, só em livros mesmo.

Gente, recomendo muito o livro, mas para quem tem paciência, pois o livro é enorme, para que curte chick lit e para as românticas de plantão.

Para que terminar de ler Melancia e gostar, temos outros livros da família Walsh, são idependentes, mas seria interessante ler na ordem:

Melancia - Claire
Férias – Rachel
Los Angeles – Maggie
Tem alguém aí – Anna
Chá de sumiço – Helen
Mamãe Walsh

E temos outros livros que não tem nada a ver com a família, são totalmente independentes:

Sushi
Casório
É agora ou nunca
Um best seller para se chamar de meu
Cheio de charme
A estrela mais brilhante do céu

Eu estou em um momento de Marian Keyes, estou relendo Férias para Depois reler Los Angeles, depois volto aqui para falar da minha experiência com eles.

Eu acho que sou uma das poucas pessoas que gostam da capa do livro. Eu gosto do nome do livro também, logo nas primeiras páginas explica o porquê do livro se chamar Melancia. A capa em inglês é bem mais alto explicativa, porque tem uma mulher grávida na página e a barriga bem redondinha, parecendo uma MELANCIA.

Passei uma tarde procurando curiosidades sobre os livros ou sobre a autora e li que a Marian Keyes é Irlandesa(isso eu já sabia), já vendeu mais de 22 milhões de exemplares. Graduou-se em Direito, mas nunca exerceu a profissão. Morou um tempo em Londres onde trabalhou como garçonete e ali começou sua luta com o alcoolismo e tentou se suicidar. Depois de sua batalha alcançou o sucesso como escritora.


Beijos e até a próxima.


Eunice Ely